A Gloriosa Missão da Paternidade

Texto por: Juliano Marold | Fotografia: Pixa Bay



Há quem diga não querer ter filhos porque o mundo está cada vez pior, como se essa abstenção fosse um ato de misericórdia de quem assim fala aos seus potenciais futuros filhos, visto que, se não vierem ao mundo, serão “poupados” da maldade e dos sofrimentos da era presente.


No fundo, porém, esse argumento revela o sentimento de incapacidade que assalta a tantos quando o assunto é paternidade.


Ser pai, ou melhor, ser um bom pai, é certamente uma tarefa dificílima; para alguns, talvez pareça até uma missão impossível.


Todavia, a missão da paternidade não foi dada aos homens pelo Pai Todo Poderoso sem os recursos necessários para executá-la.

Em primeiro lugar, temos o exemplo perfeito: o próprio Deus se revela como Pai, e mostra, nas Escrituras como Ele mesmo trata com seus filhos.


Ele nos deu também, em Sua Palavra, comandos e diretrizes claras, sobre como criar e pastorear os filhos da forma adequada.


Ele nos deu Seu Espírito, o qual compartilha conosco a sabedoria necessária para aplicar os ensinos das Escrituras à vida cotidiana do lar, e para discipular os filhos.


Contamos com o auxílio providencial de nossas esposas, que é fonte de sabedoria e benção indizível.


Temos à nossa disposição ainda outros pais e mães piedosos, membros da igreja invisível, capazes de prover aconselhamento e direção, à luz das Escrituras.


Se pensarmos bem, não são poucos recursos, não é mesmo?


O mundo vai de mal a pior, é verdade, mas os discípulos de Cristo são o sal da terra (Mateus 5:13).


Isso significa que a presença de cristãos verdadeiros no mundo, aliada à graça comum, desacelera o processo de deterioração causado pelo pecado na sociedade. Afinal, eles carregam a mensagem do evangelho, que é o poder de Deus, para salvar e transformar todo aquele que crê (Romanos 1:9).

Assim, aqueles que desejam fazer algum bem ao mundo, pelos interesses de Cristo, e para a glória de Deus, precisam se comprometer e se dedicar à missão de criar filhos piedosos.

O resultado de anos de doação e sacrifício em prol dos filhos, geralmente, são filhos educados, amadurecidos e bem preparados para a batalha contra os inimigos (Salmos 127:5).

Lembremo-nos de que não podemos, e nem devemos tentar poupar nossos filhos dos sofrimentos, mas prepará-los para eles, como o construtor que edifica sua casa sobre a rocha, antevendo a tempestade (Mateus 7:25).

Não, a missão não é impossível, abracem-na homens! O Pai Todo Poderoso os convoca e os municia para ela.


Feliz Dia dos Pais!



 

Juliano Marold é Defensor Público e ilustrador. Escreveu para os volumes 01, 02 e 03 da Revista CULTIVAR & GUARDAR. Casado com Gabriela, é pai da Sarah e do Daniel. Serve na Família dos que Creem, em Curitiba, PR.