O Evangelho e a Produtividade

Texto por: Gabriela Bevenuto | Fotografia: Geoge Milton



Muitas vezes, nós enxergamos a Bíblia como um livro demasiadamente espiritual, com princípios distantes que não se conectam exatamente com o nosso cotidiano. Sim, os evangelhos nos falam da salvação em Cristo, de milagres e da redenção, mas também nos provê de teologia sólida para encararmos a vida cotidiana, afetando até mesmo a maneira como organizamos as nossas tarefas diárias.


Produtividade baseada na Graça


Em seu livro Redimindo o seu tempo, o autor e empreendedor Jordan Raynor, mostra como a vida de Jesus nos oferece diretrizes para lidarmos com as nossas crises de gerenciamento de tempo. No livro, o autor apresenta a ideia de produtividade baseada na graça, em contraponto à produtividade baseada nas obras.


Podemos descansar na certeza de que Deus nos diz que somos seus filhos amados, adotados por Ele, a despeito dos checks em nossas to-do lists

Com essa verdade em mente, podemos trabalhar com entusiasmo, para a glória de Deus e para o bem do nosso próximo, sabendo que não precisamos conquistar nada para sermos aceitos. A nossa identidade e salvação está bem segura em Cristo.


Uma produtividade baseada nas obras não é assim: ela oferece descanso apenas após uma lista de deveres cumpridos e metas alcançadas. Ela produz corações inquietos e ansiosos, que acreditam que o seu valor está naquilo que podem fazer.



Meu irmão, em Cristo, você já tem descanso. Você não precisa desgastar o seu corpo, sacrificar o seu sono e descanso em busca de reconhecimento e validação.


Você já tem o status de filho de Deus. Você pode descansar.


Como Jesus gastava seu tempo


Talvez você esteja se perguntando como, exatamente, a vida de Jesus nos ensina sobre produtividade. Vamos olhar para a Palavra:


1. O mais importante primeiro (Marcos 1:35):


“No dia seguinte, antes do amanhecer, Jesus se levantou e foi a um lugar isolado para orar.”


O contexto imediatamente anterior era de um dia cheio. Jesus havia curado muitas pessoas, expulsado demônios e lidado com uma multidão. No dia seguinte, o que ele faz? Acorda antes de suas atividades para falar com o seu Pai.


Aqui, Jesus nos ensina a priorizar o nosso relacionamento com Deus, mesmo em meio aos muitos afazeres da vida.


Devemos lutar e tomar medidas intencionais para estarmos com o nosso Pai celestial. As primeiras coisas vem primeiro.

2. Lutando por silêncio (Mateus 12: 13).


“Logo que Jesus ouviu a notícia, partiu de barco para um lugar isolado, a fim de ficar só. As multidões, porém, descobriram para onde ele ia e o seguiram a pé, vindas de muitas cidades.”


Aqui, Jesus procura um momento para exercitar a solitude e o silêncio. Você sabia que estes são considerados disciplinas espirituais?


Num mundo de distrações, é difícil parar para meditar, refletir e ouvir os próprios pensamentos. Você já parou para pensar em como nós estamos constantemente fugindo do silêncio? Você já se pegou preenchendo cada parte livre do seu dia com entretenimento? Parece que não suportamos mais o silêncio.


Jesus se retirou e procurou um lugar de silêncio logo depois de receber a notícia da morte de seu primo João Batista. Ele se separou a fim de processar a notícia sozinho.

Não ignoremos o exemplo de Jesus. Lutemos pelo silêncio sempre que necessário.


Para Jordan Raynor, a solução para as nossas crises de gerenciamento de tempo se encontra no Evangelho. Depois da leitura do livro, eu não poderia concordar mais com o autor.


Que o Evangelho da salvação molde a maneira como encaramos todas as coisas. Até a nossa to-do list.


 

Gabriela Bevenuto é criadora de conteúdo. Casada com Pedro, serve na Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul, RS.