Você é uma Teóloga

Texto por: Cecilia J. D. Reggiani | Foto: Gabby K.


Quando você pensa em um teólogo, qual a imagem que lhe vem à mente? Provavelmente, como eu, sua imaginação a lembrou da figura de um homem de óculos grossos, livros por todas as paredes e empilhados no chão, e horas e mais horas investidas em leituras profundas e complexas. Um intelectual, alguém que entende de coisas que a maioria das pessoas não entende. Termos como "exegese", “pneumatologia”, “hermenêutica”, “escatologia”, “lapsarianismo” estão na ponta de sua língua e ele os gasta como se fossem “bom dia”.


Por definição, um teólogo é uma pessoa que se ocupa no estudo sobre Deus e seus atributos. Portanto, por definição, se você é cristã, você também é uma teóloga. Você também, em sua devoção, se ocupa no estudo sobre Deus e seus atributos (ou pelo menos deveria). Em seu livro Somos Todos Teólogos, o pastor norte-americano R. C. Sproul escreve algo que assola a concepção de diversos crentes.

“Muitas pessoas acreditam que o estudo teológico tem pouco valor. Elas dizem: ‘Não preciso de teologia; preciso apenas conhecer a Jesus’. Mas a teologia é inevitável para todo cristão. É nossa tentativa para entendermos a verdade que Deus nos revelou - algo que todo cristão faz. Portanto, a questão não é se vamos nos engajar em teologia, mas se a nossa teologia é correta ou incorreta.”

Isso quer dizer que todo crente é chamado para ser alguém em que o amor aumenta “cada vez mais em conhecimento e em toda percepção” (Fl 1:9). Alguns, inclusive, são considerados mais nobres do que outros porque não apenas recebem a Palavra, mas “examinam cada dia nas Escrituras” se aquilo que é pregado é realmente condizente com o que está revelado (At 17:11).


Portanto, a teologia e o título de teólogo não são coisas sobre as quais apenas um punhado de estudiosos enclausurados ou pastores podem alegar posse. Muito pelo contrário, pertencem ao povo de Deus.

De fato, o Senhor fez muita questão que assim fosse: não apenas revelou-se por meio das Escrituras inspiradas, mas enviou o Seu próprio filho, Jesus Cristo, como a Palavra Encarnada (Jo 1:14).

Talvez você ainda não esteja convencida de que é uma teóloga. Ou talvez você esteja convencida de que é uma teóloga, mas percebeu o quão negligente tem sido em sua caminhada de conhecimento. Independente de qual for seu caso, a história a seguir tem tudo a ver com você, comigo, e com todo o povo de Deus.


Não podemos dizer ao certo qual a idade dela, mas pelos costumes da época, deveria ter por volta de 13 ou 14 anos. Era uma moça tímida, de poucas palavras. Sua história choca até hoje e é provável que ela tenha adquirido certa reputação em sua vizinhança, pois mesmo sendo prometida em casamento a um homem, certo dia apareceu grávida, de uma hora para outra.

A Bíblia relata poucas coisas sobre Maria, a mãe de Jesus. Também não temos muito de suas falas gravadas, mas aquilo que lemos nos faz desejar ser uma teóloga como ela. Conforme registrado no primeiro capítulo do Evangelho de Lucas, pouco tempo depois de receber a visita angelical que anunciou a vinda de Cristo por meio de sua gravidez, ela visita sua prima Isabel, também milagrosamente grávida na velhice. Ao encontrarem-se, as duas mulheres manifestam intensa alegria e profundo conhecimento das profecias, promessas e atributos de Deus a respeito de tudo aquilo que estavam vivendo.

O Cântico de Maria, sua oração ao ser recebida por Isabel, transborda de conhecimento bíblico. Ele também nos mostra que teologia não é apenas para homens de óculos grossos e palavras difíceis, mas para quaisquer pessoas que temem ao Deus Vivo, inclusive adolescentes grávidas fora do casamento em pleno Oriente Médio.


Gosto especialmente dessa obra pois mostra a simplicidade e juventude de Maria, bem como a sua “normalidade”; ela não está retratada com qualquer elemento sobrenatural, antes é uma adolescente israelista como qualquer outra.

Há dois mil anos, uma jovem que seria desprezada pelos mestres da época (e provavelmente pelos contemporâneos) exclamou:

“A minha alma engrandece ao Senhor,

E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;

Porque atentou na baixeza de sua serva;

Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada,

Porque me fez grandes coisas o Poderoso; E santo é seu nome.

E a sua misericórdia é de geração em geração sobre os que o temem.

Com o seu braço agiu valorosamente; Dissipou os soberbos no pensamento de seus corações.

Depôs dos tronos os poderosos, e elevou os humildes.

Encheu de bens os famintos, e despediu vazios os ricos.

Auxiliou a Israel seu servo, recordando-se da sua misericórdia;

Como falou a nossos pais, para com Abraão e a sua posteridade, para sempre.”

(Lucas 1:46-55)


O que você talvez não saiba é que, na verdade, o Cântico de Maria (ou Magnificat como também é conhecido) não é nada original. Ao exclamar seu louvor, ela está recitando diversos textos do Antigo Testamento, como a Oração de Ana, em 1 Samuel 2, Salmos e textos proféticos de Habacuque e Isaías.

Há uma lista abaixo e nela você poderá ter uma ideia de quantos trechos aquela adolescente estava rememorando para confeccionar sua própria oração ao Senhor. Podemos aprender diversas coisas não apenas em seu conteúdo e “método”, mas pelo simples fato de que tal jovem, ou como ela mesma se identifica “na baixeza de sua serva”, tivesse tanto conhecimento bíblico para utilizar espontaneamente.

Sem dúvidas, Maria foi inspirada pelo Espírito Santo para assim adorar a Deus. Isso em nada tira seu crédito, porém, em saber empregar a própria Palavra para adorar ao Criador. O Senhor a guiou naquilo que deveria fazer: adorá-lo, mas também instituiu os meios para como fazer isso: estudar a Sua palavra e a memorizar (Dt 6:6,7).

Três décadas mais tarde, em uma conversa com outra mulher chamada Maria e sua irmã Marta, Jesus quebra ainda mais paradigmas culturais ao definir que mulheres podem e devem aprender teologia. A história registrada em Lucas 10 mostra Marta indignada com a irmã “preguiçosa” que abandona os afazeres domésticos para ir sentar-se aos pés de Jesus e aprender. Maria sem dúvida atraiu para si alguns olhares reprovadores além dos de sua irmã, pois mulheres não eram permitidas e muito menos incentivadas a buscar qualquer espécie de conhecimento que não fosse estritamente doméstico.

A resposta de Jesus, porém, quebra essa visão deformada da mulher e a coloca em seu devido lugar: “Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; E Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada” (Lc 10:41,42).

Ou seja, Jesus deixa claro, de uma vez por todas, que a verdadeira questão não é SE você é uma teóloga, mas QUAL teologia tem produzido e buscado. Não seja como as “mulheres tolas, sobrecarregadas de pecados, que são levadas por todo tipo de desejos, que estão sempre aprendendo e nunca conseguem chegar ao conhecimento da verdade” (2 Tm 3:6,7), mas busque ser uma “mestra do bem” (Tt 2:3), que “fala com sabedoria” e em cuja língua está a “instrução da bondade” (Pv 31:26), uma mulher da qual gerações podem testemunhar sobre a “fé não fingida” (2Tm 1:5).





Trechos da Oração de Maria e as referências ao Antigo Testamento:


Lucas 1:46,47 :

A minha alma engrandece ao Senhor,

E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;


Referências ao Antigo Testamento:

O meu coração exulta ao SENHOR, o meu poder está exaltado no SENHOR 1 Samuel 2:1

A minha alma se gloriará no Senhor; os mansos o ouvirão e se alegrarão.

Engrandecei ao Senhor comigo; e juntos exaltemos o seu nome. Salmos 34:2,3 E a minha alma se alegrará no Senhor; alegrar-se-á na sua salvação. Salmos 35:9

Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação. Habacuque 3:18 Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegrará no meu Deus. Isaías 61:10

Lucas 1:48:

Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada,


Referências ao Antigo Testamento:

Se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva não te esqueceres. 1 Samuel 1:11 Para minha ventura; porque as filhas me terão por bem-aventurada. Gênesis 30:13 O seu nome permanecerá eternamente; o seu nome se irá propagando de pais a filhos enquanto o sol durar, e os homens serão abençoados nele; todas as nações lhe chamarão bem-aventurado. Salmos 72:17 Ainda que o Senhor é excelso, atenta todavia para o humilde; mas ao soberbo conhece-o de longe.Salmos 138:6

Lucas 1:49

Porque me fez grandes coisas o Poderoso; E santo é seu nome.


Referências ao Antigo Testamento:

Não há santo como o Senhor; porque não há outro fora de ti; e rocha nenhuma há como o nosso Deus. 1 Samuel 2:2 Também a tua justiça, ó Deus, está muito alta, pois fizeste grandes coisas. Ó Deus, quem é semelhante a ti? Salmos 71:19 Enviou ao seu povo a redenção; estabeleceu para sempre a sua aliança; santo e tremendo é o seu nome. Salmos 111:9 Então, a nossa boca se encheu de riso, e a nossa língua, de júbilo; então, entre as nações se dizia: Grandes coisas o Senhor tem feito por eles. Salmos 126:2

Lucas 1:50

E a sua misericórdia é de geração em geração sobre os que o temem.


Referências ao Antigo Testamento:

Mas a misericórdia do Senhor é de eternidade a eternidade, sobre os que o temem, e a sua justiça, sobre os filhos dos filhos. Salmos 103:17



Lucas 1:51

Com o seu braço agiu valorosamente; Dissipou os soberbos no pensamento de seus corações.


Referências ao Antigo Testamento:

Destarte, o Senhor os dispersou dali pela superfície da terra; e cessaram de edificar a cidade. Gênesis 11:8 Agora, sei que o Senhor é maior que todos os deuses, porque livrou este povo de debaixo da mão dos egípcios, quando agiram arrogantemente contra o povo. Êxodo 18:11 O teu braço é armado de poder, forte é a tua mão, e elevada, a tua destra. Salmos 89:13 Cantai ao Senhor um cântico novo, porque ele tem feito maravilhas; a sua destra e o seu braço santo lhe alcançaram a vitória. Salmos 98:1 Nas tendas dos justos há voz de júbilo e de salvação; a destra do Senhor faz proezas. Salmos 118:15


Lucas 1:52

Depôs dos tronos os poderosos, E elevou os humildes.


Referências ao Antigo Testamento:

Levanta o pobre do pó e, desde o monturo, exalta o necessitado, para o fazer assentar entre os príncipes, para o fazer herdar o trono de glória; porque do Senhor são as colunas da terra, e assentou sobre elas o mundo. 1 Samuel 2:8 para pôr os abatidos num lugar alto e para que os enlutados se alegrem da maior ventura. Jó 5:11


Lucas 1:53

Encheu de bens os famintos, E despediu vazios os ricos.


Referências ao Antigo Testamento:

Os que antes eram fartos hoje se alugam por pão, mas os que andavam famintos não sofrem mais fome; até a estéril tem sete filhos, e a que tinha muitos filhos perde o vigor. 1 Samuel 2:5 Pois dessedentou a alma sequiosa e fartou de bens a alma faminta. Salmos 107:9


Lucas 1:54,55

Auxiliou a Israel seu servo, Recordando-se da sua misericórdia; Como falou a nossos pais, Para com Abraão e a sua posteridade, para sempre.


Referências ao Antigo Testamento:

Deus está no meio dela; jamais será abalada; Deus a ajudará desde antemanhã. Salmos 46:5

Lembrou-se da sua misericórdia e da sua fidelidade para com a casa de Israel; todos os confins da terra viram a salvação do nosso Deus. Salmos 98:3 Mas tu, ó Israel, servo meu, tu, Jacó, a quem elegi, descendente de Abraão, meu amigo,

tu, a quem tomei das extremidades da terra, e chamei dos seus cantos mais remotos, e a quem disse: Tu és o meu servo, eu te escolhi e não te rejeitei. Isaías 41:8,9 / Gênesis 15 e 17


Cecilia J. D. Reggiani é jornalista e tradutora. É casada com Guilherme e mãe do Thomas. É a idealizadora do Benditas.blog e já colaborou com publicações cristãs como Voltemos ao Evangelho e a Revista de Teologia Brasileira. Mora em São Caetano do Sul, em São Paulo, e é membro da Igreja Batista Reformada de São Bernardo do Campo.